Começa o plantio da Soja em Goiás
O plantio da soja em Goiás, São Paulo e Minas deve ser iniciado nesta semana. Terminado o vazio sanitário nessas regiões, no último dia de setembro, sojicultores estão animados com a próxima safra. Tanto que muitos deles continuam a avançar com o plantio da oleaginosa em Rondônia, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Paraná. Em Goiás, São Paulo e em Minas Gerais, diversas áreas já apresentam volumes de chuva acumulada, superiores a 80 milímetros. Por outro lado, a disparidade entre as ofertas de compradores e os pedidos de vendedores de soja cresceu nos últimos dias, influenciada pela desvalorização do dólar frente ao Real. Mas a soja já colhida tem como empecilho às negociações a logística, mesmo diante do ânimo dos compradores com interesse em negociar.

 

Segundo colaboradores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo (Cepea/Esalq/USP), a logística é um dos entraves aos fechamentos. Por outro lado, vendedores se mostram capitalizados e sem necessidade imediata de comercializar – muitos não têm volume disponível para venda. Entre 21 e 28 de setembro, o Indicador Esalq/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR) permaneceu praticamente estável (-0,1%), a R$ 95,62, a saca de 60 quilos, na sexta-feira, 28. No mesmo comparativo, o Indicador Cepea/Esalq Paraná teve ligeira queda de 0,6%, a R$ 88,99, a saca de 60 quilos, no dia 28. As médias destes Indicadores em setembro estiveram 6,2% maiores que as de agosto e as mais altas desde julho/16, em termos reais (IGP-DI de ago/18).

 

Clima – Áreas de instabilidade associadas à presença de uma frente fria no Sul mantêm o tempo bastante instável. Com isso, pancadas de chuva, mesmo que de forma irregular, continuem a ocorrer. Apesar de tal padrão meteorológico, ainda não se pode falar que o regime de chuva já está totalmente consolidado no Brasil. Pelo contrário. As precipitações irão ocorrer ao longo de toda a primeira quinzena de outubro, ainda na forma de pancadas irregulares. Em diversas microrregiões ainda ocorrerá uma ausência e baixíssimos volumes de chuva. No entanto, é fato que diferente do que ocorreu no ano passado, em que houve chuva na virada de setembro para outubro e depois um grande veranico, com a chuva só retornando no final do mês de outubro, esse ano será bem diferente.

 

Fonte: FAEG - FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DE GOIÁS

" /> "'

NOTÍCIAS

Página inicialNotícias

Começa o plantio da Soja em Goiás


O plantio da soja em Goiás, São Paulo e Minas deve ser iniciado nesta semana. Terminado o vazio sanitário nessas regiões, no último dia de setembro, sojicultores estão animados com a próxima safra. Tanto que muitos deles continuam a avançar com o plantio da oleaginosa em Rondônia, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Paraná. Em Goiás, São Paulo e em Minas Gerais, diversas áreas já apresentam volumes de chuva acumulada, superiores a 80 milímetros. Por outro lado, a disparidade entre as ofertas de compradores e os pedidos de vendedores de soja cresceu nos últimos dias, influenciada pela desvalorização do dólar frente ao Real. Mas a soja já colhida tem como empecilho às negociações a logística, mesmo diante do ânimo dos compradores com interesse em negociar.

 

Segundo colaboradores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo (Cepea/Esalq/USP), a logística é um dos entraves aos fechamentos. Por outro lado, vendedores se mostram capitalizados e sem necessidade imediata de comercializar – muitos não têm volume disponível para venda. Entre 21 e 28 de setembro, o Indicador Esalq/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR) permaneceu praticamente estável (-0,1%), a R$ 95,62, a saca de 60 quilos, na sexta-feira, 28. No mesmo comparativo, o Indicador Cepea/Esalq Paraná teve ligeira queda de 0,6%, a R$ 88,99, a saca de 60 quilos, no dia 28. As médias destes Indicadores em setembro estiveram 6,2% maiores que as de agosto e as mais altas desde julho/16, em termos reais (IGP-DI de ago/18).

 

Clima – Áreas de instabilidade associadas à presença de uma frente fria no Sul mantêm o tempo bastante instável. Com isso, pancadas de chuva, mesmo que de forma irregular, continuem a ocorrer. Apesar de tal padrão meteorológico, ainda não se pode falar que o regime de chuva já está totalmente consolidado no Brasil. Pelo contrário. As precipitações irão ocorrer ao longo de toda a primeira quinzena de outubro, ainda na forma de pancadas irregulares. Em diversas microrregiões ainda ocorrerá uma ausência e baixíssimos volumes de chuva. No entanto, é fato que diferente do que ocorreu no ano passado, em que houve chuva na virada de setembro para outubro e depois um grande veranico, com a chuva só retornando no final do mês de outubro, esse ano será bem diferente.

 

Fonte: FAEG - FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DE GOIÁS

Veja Também:

Acesso Restrito

© Grupo TEC AGRO todos os direitos reservados - Desenvolvido por: Clan Digital.